A Polícia de Segurança Pública (PSP) anunciou, esta quinta-feira, a detenção, em Lisboa, de uma mulher, de 45 anos, suspeita de diversos crimes de burla qualificada, os quais terão causado um prejuízo aos lesados em quase 130.000 euros.

Numa primeira fase, a mulher, que se fazia passar por empresária do ramo imobiliário com lojas sob a sua exploração, contactou fornecedores de artigos que se propunha vender e, após a entrega dos mesmos, entregava-lhes documentos comprovativos de pagamento, por transferência bancária, cujo valor nunca era creditado nas contas de destino.

Posteriormente, acrescenta o comunicado do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, a suspeita arrendou diversos apartamentos para habitação, devidamente mobilados, negócios que eram acompanhados de documentos falsos e de transferências fictícias.

Mais recentemente, a mulher adquiriu duas viaturas novas, as quais “pagou” da mesma forma.

No decorrer do cumprimento de mandados de busca domiciliária foram apreendidas as viaturas e diverso mobiliário.

De acordo com a investigação, que durava há um ano e nove meses, o prejuízo monetário decorrente da prática destas burlas perfaz um valor total de quase 130.000 euros.

A mulher, já com antecedentes criminais, foi detida na segunda-feira, tendo ficado sujeita à medida de coação de prisão preventiva depois de presente a primeiro interrogatório judicial, na quarta-feira.