Quase um ano depois, o ministro da Administração Interna ainda está a «ponderar» quais as medidas que vai tomar para responder ao relatório elaborado  pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) à manifestação dos polícias que ocorreu a 21 de novembro de 2013, frente à Assembleia da República, e que terminou com a invasão das escadarias por parte daquelas forças de segurança.

«Estou a ponderar sobre as questões do relatório e depois quando tomar uma decisão essa decisão será transmitida. Não sei se vai ser conhecida toda a decisão do relatório porque uma parte tem questões operacionais e essas, duvido, que devam ser publicitadas», disse aos jornalistas Miguel Macedo, no final da cerimónia de entrega das espadas aos 33 novos oficiais da GNR.

O relatório da IGAI já está nas mãos do ministro há vários meses,mas nunca foi divulgado, nem entregue ao Parlamento, apesar da insistência dos partidos da oposição.

Questionado quais os motivos da demora, Miguel Macedo respondeu: «Porque eu estou a ponderar. É diferente a ponderação que temos que fazer face a um relatório da IGAI de outras tomadas de decisão de coisas que não precisam de tanta ponderação», explicou, citado pela Lusa.

O ministro adiantou que algumas das questões a ponderar não estão diretamente relacionadas com o documento da IGAI, mas com «a adoção ou não de medidas que são induzidas por questões levantadas pelo relatóri.

No final da cerimónia, que decorreu nas ruínas do Convento do Carmo, em Lisboa, Miguel Macedo disse ainda que a lei orgânica da GNR, que prevê a reativação da Brigada de Trânsito e da Brigada Fiscal, «já está pronta há muito tempo», estando a demorar a formalizar.

Para o ministro, a lei orgânica da GNR deve ser apresentada em conjunto com a da PSP.