A PSP anunciou a detenção, em Setúbal, de um grupo de carteiristas com relações familiares, constituído por seis mulheres e um homem, suspeito de furtos em todo o país, e a recuperação de 100 mil euros em valores.

No âmbito da ação, a que a polícia deu o nome de “Operação manitas de plata”, as autoridades detiveram seis mulheres, com idades entre os 22 e os 64 anos, suspeitas de dezenas de furtos pelo método carteirista, e um homem de 23 anos, que estava na posse de petardos.

De acordo com a PSP, o grupo atuava sobretudo em centros comerciais de norte a sul do país e escolhia “criteriosamente as vítimas”.

“Em alguns casos verificou-se que também agiam de modo a conseguir obter o código do cartão de débito e/ou crédito junto de pontos ATM, para posteriormente efetuarem levantamentos e pagamentos”, acrescentou a PSP.

A organização atuava “sempre de forma conjugada e extremamente organizada, com tarefas definidas para cada uma das suspeitas, e em diversos locais do país, desde o Algarve até Braga, sendo a matriarca residente em Portugal há diversos anos e arguida em diversos processos-crime em conjunto com algumas das demais detidas”, acrescentou a PSP.

No âmbito da operação foram feitas quatro buscas domiciliárias em residências situadas em Almada, Palmela e Fernão Ferro e ainda duas buscas a cofres individuais numa instituição bancária.

Durante as buscas, as autoridades apreenderam diversos recibos de transferências internacionais monetárias, depósitos e levantamentos de dinheiro, destacando-se a apreensão de material com um valor de cerca de 100 mil euros.

Entre as apreensões sobressaem mais de dois mil euros, uma quantia superior a 1.500 yuan (moeda chinesa), 210 peças em ouro, prata ou com diamantes avaliadas em 50 mil euros, 163 adereços diversos, como malas, carteiras e óculos e 27 aparelhos elétricos e eletrónicos, como ‘tablets’, telemóveis e computadores portáteis, de acordo com a Lusa.

O grupo, que a polícia considerou como “extremamente ativo na prática de furtos por carteirista”, foi presente a tribunal, tendo sido decretada a medida de prisão preventiva a todas as detidas e termo de identidade e residência ao homem.

A operação decorreu na manhã desta quinta-feira, em vários locais do distrito de Setúbal, pela Divisão de Segurança a Transportes Públicos (DSTP) do Comando Metropolitano de Lisboa.