Dezenas de pessoas marcaram este sábado presença em Elvas no funeral do agente Ricardo Santos, um dos dois polícias colhido mortalmente por um comboio durante uma perseguição policial a suspeitos de assalto a uma residência em Loures.

No meio de grande consternação, familiares, colegas da PSP, amigos e vizinhos acompanharam o cortejo fúnebre até ao cemitério daquela cidade alentejana, mantendo-se ao longo de toda a cerimónia um profundo silêncio.

De acordo com a Lusa, nas cerimónias fúnebres do agente, de 23 anos, marcaram presença em nome do governo, pelo menos, a ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, e o secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida.

O funeral do outro agente envolvido neste acidente, João Rainho, de 26 anos, vai decorrer durante a tarde de hoje, a partir das 15:30, na igreja do Forte da Casa, seguindo depois para o cemitério da Póvoa de Santa Iria, no distrito de Lisboa.

Na quarta-feira, os dois agentes da PSP foram colhidos mortalmente por um comboio entre a Bobadela e Sacavém, enquanto perseguiam três homens suspeitos de um assalto a uma residência no concelho de Loures.

Dois dos suspeitos foram intercetados momentos depois, num canavial perto da linha ferroviária.

Os dois detidos, de 17 e 20 anos, começaram a ser julgados em processo sumário na quinta-feira, no Tribunal de Loures, tendo saído ambos em liberdade e sido notificados para comparecerem no tribunal na segunda-feira, às 14:30, para continuação do julgamento.

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP informou que os detidos estavam já referenciados por roubo e furto e que já tinham fugido anteriormente às autoridades.

O terceiro suspeito continua em fuga.