O Gabinete de Atendimento e Informação à Vítima (GAIV) da PSP do Porto, que faz dois anos na sexta-feira, atendeu desde a sua constituição 3.368 pessoas, a maioria (93,9%) vítimas do crime de violência doméstica.

Dados do GAIV a que a Lusa teve acesso revelam que do primeiro ano de atividade do GAIV (de 13 de março de 2013 a 12 de março de 2014), para o segundo ano (de março de 2014 a 28 de fevereiro de 2015), o gabinete registou um crescimento de vítimas de 38,1%, ou seja aumentou de 1.414 vítimas atendidas para 1.954.

O GAIV registou também um aumento do número de denúncias de vítimas do crime de violência doméstica na ordem dos 34,8%, de 1.347 para 1.816 vítimas, do primeiro para o segundo ano.

A maioria das vítimas que fizeram denúncias no GAIV nestes dois últimos anos são mulheres (2.648), mas houve 514 homens que também o fizeram, disse à Lusa o coordenador do GAIV do Porto, comissário Marco Almeida.

A maioria dos agressores são os cônjuges (846), companheiros (751), ex-companheiros (637) e ex-cônjuges (294), logo seguidos dos ex-namorados (235), namorados (135) e progenitores (107).

Outros dos agressores identificados são padrastos, irmãos, tios, sobrinhos, primos, avós, sogros, netos ou cunhados.
O tipo de violência exercido nas vítimas que fizeram a denúncia no primeiro ano de atividade do GAIV foi principalmente a violência psicológica/emocional (953) e física (722), seguida da violência social (487), económica (180) e sexual (35), descreve à Lusa.

Entre 2014 e 2015, o tipo de violência mais exercido às vítimas foi a violência económica, com 2010 registos, seguido de perto pela violência psicológica (1.322) e só depois pela violência física (841), social (549) e sexual (47).

Dados da 1.ª Secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), do Porto, indicam que entre 2013 e final de fevereiro de 2015 houve um total de 19 arguidos presos preventivamente por crime de violência doméstica, um arguido com prisão domiciliária e “83 medidas de afastamento da residência e proibição de contacto com a vítima”.

A PSP apreendeu ainda várias armas, tais como quatro carabinas de nove milímetros (mm), 11 armas de defesa de 6,35 mm, uma arma branca tipo borboleta e uma pistola tipo ‘paint ball’.

O GAIV do Porto dispõe de 17 elementos policiais do policiamento de proximidade.