O Ministério Público no DIAP do Porto deduziu acusação contra uma rede de 12 pessoas, incluindo um chefe da PSP e uma funcionária judicial, pelos crimes de tráfico de estupefacientes e de associação criminosa no Bairro da Sé.

Segundo informação veiculada no site da procuradoria-geral distrital do Porto, 10 indivíduos estariam agrupados em estrutura organizada e o líder manteria contactos com um chefe da PSP e com uma funcionária judicial.

De acordo com o MP, o líder do grupo terá conseguido que estes dois elementos, «a troco de contrapartidas, colaborassem consigo no desenvolvimento da atividade de tráfico».

«O primeiro dando alerta sobre iminentes operações ou intervenções policiais na Sé e prestando depoimentos de favor em julgamentos, a segunda relatando informações sobre o andamento de processos de inquérito e sobre atos processuais, nomeadamente buscas», refere o documento.

Os factos terão ocorrido no período de tempo compreendido entre 14 de março de 2012 e 26 de novembro de 2012 e reportam-se à atividade de tráfico de estupefacientes no Bairro da Sé, Porto.

«Dez dos arguidos estão acusados de se terem agrupado em estrutura organizada, hierarquicamente liderada por um deles, e de através dela terem desenvolvido a atividade de aquisição, distribuição, controlo e venda a retalho dos produtos estupefacientes, mantendo, entre o mais, um circuito de corte, doseamento, embalamento e transporte, rede de vendedores finais e casas de recuo para guardar o grosso da droga», sustenta o documento.

A estes arguidos está imputada a prática dos crimes de tráfico agravado de estupefacientes e de associação criminosa.