O Ministério da Educação vai aplicar fundos comunitários na contratação, formação e aquisição de materiais para psicologia em contexto escolar, por forma a atingir o objetivo de um psicólogo para cada 1.100 alunos, disse à Lusa fonte oficial.

Em declarações à agência Lusa à margem de um seminário, em Lisboa, o subdiretor geral da Educação, Pedro Cunha, afirmou que estão reservadas verbas do Programa Operacional de Capital Humano, “na ordem dos milhões de euros”,para atingir aquele objetivo até 2020.

“É um investimento avultado para formação, contratação e apetrechamento dos serviços de psicologia nas escolas”, sublinhou Pedro Cunha, de acordo com a Lusa.

De acordo com dados da Ordem dos Psicólogos, existem atualmente cerca de 775 psicólogos para um milhão e duzentos mil alunos, havendo casos em que há apenas um psicólogo para 2.000 alunos.

Com o protocolo pretende-se “estabelecer pontos de trabalho” entre a Ordem dos Psicólogos e o Ministério da Educação, disse Francisco Rodrigues, frisando que os serviços educativos manifestaram disponibilidade para avançar com os materiais necessários para o início do próximo ano.

A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) vai ajudar o Ministério da Educação a identificar os materiais mais adequados ao trabalho destes profissionais em contexto escolar, acrescentou.

Neste sentido, será assinado um protocolo no sábado, no decorrer do III Seminário de Psicologia e Orientação em Contexto Escolar, que hoje começou na Cidade Universitária.

O trabalho dos psicólogos nas escolas passará também a ter supervisão, referiu a mesma fonte.

À Ordem dos Psicólogos caberá definir os profissionais que são necessários nas escolas, os conteúdos e a formação.

“Toda a formação que vamos fazer será certificada pela Ordem dos Psicólogos”, indicou o responsável da Direção Geral da Educação.

A Ordem dos Psicólogos vai também ajudar a elaborar uma lista dos materiais que são necessários para o trabalho em contexto escolar.

Neste momento estão a ser dados os primeiros passos para a criação de uma plataforma que registe as intervenções realizadas ao longo do acompanhamento do aluno, à semelhança do que acontece no Serviço Nacional de Saúde.

“Vamos elaborar orientações específicas para a melhor prática da psicologia em contexto escolar”, acrescentou o diretor executivo da Ordem dos Psicólogos, Francisco Miranda Rodrigues, à margem do encontro, que começou com uma conferência de Alexandre Castro Caldas sobre “A Importância da Neurociência para a Educação”.