Os professores que tenham aprovação na Prova de Conhecimentos marcada para dezembro terão de realizar a prova específica entre março e abril, que é obrigatória para poderem dar aulas, anunciou esta sexta-feira o secretário de Estado João Grancho.

Em declarações à Lusa, o secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho, lembrou que a Prova de Conhecimentos e Capacidades tem duas componentes: a comum, que está agendada para 18 de dezembro, e a específica, que deverá ser realizada «em março ou abril».

«A componente comum visa essencialmente comprovar a existência de requisitos mínimos em áreas como sejam a leitura, a ortografia, a escrita, a morfologia e a sintaxe, assim como a mobilização de raciocínio lógico e a resolução de problemas», defendeu João Grancho, voltando a sublinhar que a prova se dirige apenas aos professores não integrados na carreira docente.

O responsável lembrou que a prova é mais uma forma escolhida pelo Ministério da Educação e Ciência para garantir um ensino público de qualidade. «Nós queremos que os alunos tenham os melhores professores. Nós queremos que os pais confiem na escola e, por isso, estamos a tomar várias medidas», anunciou.

Entre os meses de março e abril, os professores que tenham aprovação na componente comum irão realizar a componente específica, que será «dirigida aos conhecimentos específicos nas áreas disciplinares de cada docente».

Segundo João Grancho, «é o conjunto destas duas componentes que vai aferir a qualidade dos docentes».

Sobre as criticas feitas pelos sindicados de professores, durante o dia de hoje, após a divulgação do Guia da Prova na noite de quinta-feira, João Grancho defendeu que a prova «é equilibrada».

Além da Prova de Conhecimentos e Capacidades, o MEC quer aumentar a exigência para a formação inicial de professores, obrigando à realização de provas de Português e Matemática para quem queira aceder aos cursos de formação inicial de professores.

«Estamos também a rever as habilitações para a docência», acrescentou João Grancho em declarações à Lusa.

As inscrições para a prova estão abertas no site da Direção-Geral da Administração Escolar. A prova destina-se a educadores de infância e professores do ensino básico e secundário, não integrados na carreira docente.

Os principais sindicados de professores já anunciaram uma greve para o dia da prova, 18 de dezembro.