Os agentes da PSP vão fazer uma greve de zelo a partir da próxima segunda-feira, 24 de agosto, em protesto contra o sucessivo adiamento do novo estatuto de carreira. Quer isto dizer que, embora prometam continuar atentos às infrações, vão evitar passar multas, substituindo o papel por uma simples palavra.

"Vamos iniciar uma ação já no dia 24 de agosto, a pedir aos profissionais, por todo o país, que façam mais pedagogia, que não façam repressão. Ou seja, repressão zero"


O apelo foi feito por Paulo Rodrigues, da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia. Em causa, estão cerca de 23 mil agentes e todos os dias serão marcados por uma ação de protesto um pouco por todo o país, até às eleições legislativas em outubro.

Os polícias exigem 36 horas de trabalho, uma nova tabela de remuneração e reforma aos 60 anos sem qualquer penalização. 

São questões previstas no memorando assinado com a ministra da Administração Interna, no fim de julho, mas que tarda em ser aprovado. A governante Anabela Rodrigues diz que o seu ministério está a trabalhar "em detalhes de redação e, também, a acertar outros detalhes com outros ministérios".

O Conselho de Ministros volta a reunir-se no próximo dia 27 de agosto, quinta-feira, mas os políticas não acreditam que o diploma seja aprovado.

Os polícias ameaçam, ainda, voltar às manifestações.