Entre 80 a 100 enfermeiros especialistas estão em vigília na noite de quarta-feira frente à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, não só para apresentar reivindicações, mas também pedir uma reunião de emergência com António Costa.

Em declarações, à agência Lusa, Bruno Reis, porta-voz dos Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia (EESMO), adiantou que um dos objetivos da vigília desta noite é o de entregar na residência oficial do primeiro-ministro um pedido de reunião urgente.

Para que ele [António Costa] possa perceber que esta é uma situação emergente, que nós pretendemos ver resolvida, para que dia 03 [de julho], de norte a sul do país, as grávidas não fiquem sem apoio da enfermagem especializada”, disse o responsável sindical.

Os enfermeiros especialistas já notificaram 28 maternidades e nove centros de saúde de que não irão executar serviços especializados a partir de segunda-feira, em protesto por a sua tabela salarial não estar adequada à complexidade das funções que desempenham.