A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) considerou «atípica» as mais de 300 ocorrências de incêndios florestais registadas ao longo do mês de novembro, principalmente nos últimos dias.

«É uma situação um pouco atípica, uma vez que de alguns dias para cá temos tido um tempo com ausência de precipitação, seco e com algum vento», disse à agência Lusa o comandante adjunto de operações da Proteção Civil, Carlos Guerra.

Segundo a ANPC, durante o mês de novembro registaram-se 259 ocorrências de fogo em mato, 68 em povoamentos e 73 em terrenos agrícolas.

Carlos Guerra adiantou que os distritos mais afetados por «este número anormal» de incêndios são Aveiro, Viseu e Guarda, sendo a maioria dos fogos em mato.

Os meios aéreos ainda não foram mobilizados para os fogos dos últimos dias, mas a ANPC colocou, na terça-feira, «por prevenção», em Santa Comba Dão, um helicóptero kamov.

De acordo com o comandante adjunto, o helicóptero pesado preparado para os incêndios florestais vai ficar estacionado em Santa Comba Dão até continuarem as atuais condições meteorológicas.

«Não temos a temperatura, mas temos a secura dos combustíveis e o vento a potenciar estes incêndios», afirmou o comandante adjunto, sublinhando que os fogos florestais do mês de novembro «não têm oferecido grande perigo para os combatentes e não tem demorado muito a serem combatidos».

A exceção foi o fogo que deflagrou, na terça-feira, no concelho de São Pedro do Sul, distrito de Viseu, que obrigou a uma maior mobilização de meios e só foi extinto na madrugada de quarta-feira, adiantou.

Carlos Guerra disse ainda que este incêndio, o maior registado no mês de novembro, lavrava sobretudo numa zona de mato e registou-se alguma dificuldade devido ao vento.