A Proteção Civil respondeu hoje a 2.780 ocorrências no litoral norte, com os distritos de Aveiro, Coimbra e Porto mais afetados pelo mau tempo que atingiu Portugal continental durante a noite, disse à Lusa o adjunto-nacional.

Quedas de árvores fizeram vários feridos

«Tal como esperávamos, a noite traduziu-se num número significativo de ocorrências registadas no litoral norte com Aveiro, Coimbra e Porto, desde o alerta amarelo, a registar 2.780 ocorrências», declarou à agência Lusa Marco Martins, adjunto-nacional da Proteção Civil.

De acordo com o mesmo responsável, Lisboa e Setúbal foram os distritos mais afetados pelo temporal até ao final de domingo e principio da noite de hoje, registando 428 ocorrências.

«Lisboa foi o distrito a nível nacional com maior número de ocorrências. Depois das três da manha deixou de ter a superfície frontal sob o distrito. Neste momento [07:30], as condições estão bastante melhores, o vento diminuiu de intensidade em Lisboa e no restante território nacional», adiantou.

Segundo Marco Martins, é «expetável que a partir das 10:00 da manhã de hoje se sinta uma grande diferença no desagravamento das condições meteorológicas e que, pelas 14:00, tudo volte à normalidade». O mesmo operacional adiantou que o «pior já passou».

A Proteção Civil colocou sexta-feira todo o Portugal Continental em alerta laranja até às 08:00 de hoje.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou dez distritos de Portugal Continental em aviso vermelho devido à intensidade do vento e à forte agitação marítima.

O mau tempo levou domingo à suspensão de todas as ligações fluviais da Soflusa e Transtejo, enquanto o trânsito na Ponte 25 de abril chegou a estar interdito a motociclos, veículos com capota de lona e a viaturas pesadas, devido à intensidade do vento.

O mau tempo levou também ao fecho das faixas centrais da ponte 25 de abril, nos dois sentidos, para todo o tipo de veículos.

Em Sintra, o vento forte levou a Proteção Civil a condicionar os acessos à serra de Sintra, como medida de precaução devido ao vento forte, que derrubou arvoredo e provocou vários estragos.

Chuva e vento forte regressam na terça-feira

A agitação marítima, o vento e a chuva forte diminuíram de intensidade esta manhã, mas prevê-se um novo agravamento do tempo a partir das 00:00 de terça-feira, disse à Lusa a meteorologista Paula Leitão.

«Tal como previsto, a situação melhorou gradualmente durante a madrugada e já temos boas abertas em todo o território, embora com aguaceiros, que vão ser localmente fortes e de granizo durante a manhã. A precipitação vai diminuir de frequência e o vento vai soprar mais fraco do quadrante de noroeste em todo o território do continente», disse agência à Lusa a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfrea (IPMA).

De acordo com Paula Leitão, hoje o vento ainda vai soprar forte nas terras altas, mas com rajadas da ordem dos 70 a 80 quilómetros/hora com tendência a diminuir ao longo do dia.

Apesar do desagravamento do estado do tempo, prevê-se a partir das 00:00 de terça-feira chuva e vento forte a norte do sistema Montejunto-Estrela, no litoral e nas terras altas.

«Prevemos mais precipitação intensa e vento forte a partir das 00:00. Ainda vão ser colocados avisos ao longo do dia por causa da situação que deverá ocorrer durante o dia de terça-feira», declarou o meteorologista.

«Vamos ter uma semana chuvosa, de Inverno. Vamos continuar com céu muito nublado e períodos de chuva, mas o dia mais gravoso será terça-feira», concluiu.

Atualizado às 09:10