As estradas de acesso à serra de Sintra vão manter-se fechadas ao tráfego, pelo menos, até à tarde de hoje, para avaliação dos estragos provocados pelo temporal, disse fonte dos bombeiros.

«As estradas vão manter-se cortadas enquanto se contabilizam os estragos e se avalia o risco de árvores que ainda podem cair», explicou o comandante operacional de Sintra dos bombeiros, Pedro Ernesto Nunes.

Este responsável adiantou que só às 14:00 serão avaliados os estragos no município.

Durante na manhã vão prosseguir trabalhos de desobstrução de algumas estradas, devido à queda de arvoredo, muros e postes de comunicações.

«Nas últimas 72 horas, desde o alerta laranja da Proteção Civil, registaram-se 476 ocorrências no concelho, das quais 48 envolveram a utilização de meios da câmara», disse fonte da autarquia de Sintra.

Na serra de Sintra terão caído «mais de uma centena de árvores» e «houve também danos em veículos», principalmente em zonas urbanas, em consequência da «queda de árvores e sinalética», disse a mesma fonte.

Duas pessoas em Rio de Mouro tiveram de deixar a habitação, ameaçada pelo perigo de queda de uma árvore, que ficou amparada por outra, mas «passaram a noite em casa de familiares», adiantou a fonte municipal.

A porta-voz da Parques de Sintra-Monte da Lua, sociedade que gere os parques e monumentos da serra, confirmou que o fecho das estradas impede a abertura dos palácios da Pena e de Monserrate, do Castelo dos Mouros e do Convento dos Capuchos. A empresa está a avaliar os estragos, mas «não se verificaram danos no património construído».

As autoridades condicionaram no domingo à tarde a circulação automóvel em diversos pontos da serra, junto à Malveira, Rampa da Pena, Azóia e Pé da Serra (Colares). Apenas os residentes na zona podiam transitar no perímetro, fechado a veículos estranhos.

«O mar já estragou o que tinha a estragar», comentou, por seu turno, Vítor Caeiro, do restaurante Angra, acrescentando que a agitação marítima acabou por não provocar mais danos durante a noite de domingo na Praia Grande.

A estrada em frente ao mar foi reaberta às 09:00, mas o comerciante revelou que a GNR ainda vedou o acesso com fitas, entretanto retiradas.