Cerca das 12:00 deste sábado não havia nenhum incêndio de grandes dimensões ativo em Portugal continental, segundo a página na internet da Proteção Civil.

Na comunicação matinal, cerca das 10:00, a  Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), referia que "apesar das 25 ocorrências que já registámos desde a meia-noite não há neste momento incêndios ativos em Portugal continental”.

Na sexta-feira ainda foram registadas algumas ocorrências e durante a madrugada foi possível dominar o incêndio de Mangualde, uma reativação que tinha surgido durante a tarde, adiantou então a porta-voz da Proteção Civil.

Segundo Patrícia Gaspar, os principais incêndios dos últimos dias no concelho da Sertã e de Nisa estão em fase de conclusão, “com meios no local e operações de vigilância, prontos para responder a eventuais reativações”.

Neste momento concentramos ainda quatro grupos de reforço empenhados designadamente na Sertã e em Nisa, que são incêndios que têm um perímetro muito vasto”, sublinhou.

Desmobilizadas equipas

A responsável adiantou, no ‘briefing’ na sede da ANPC, em Carnaxide, que, na sexta-feira, “foram desmobilizadas as duas equipas terrestres e não foi acionado, para já, nenhum meio aéreo”.

Mantemos a porta aberta para eventuais necessidades em termos de meios aéreos caso ao longo do dia seja necessário, mas neste momento o único avião estrangeiro que está em Portugal é de Marrocos, que permanece na base área de Monte Real”, acrescentou.

No ‘briefing’, Patrícia Gaspar afirmou que se mantém “o alerta laranja”, uma situação que, contudo, irá ser reavaliada, durante o dia de hoje.

Risco de incêndio

A Proteção Civil tem estado em “estreita articulação” com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera para ir atualizando as informações meteorológicas para os próximos dias.

Durante este sábado mantêm-se as temperaturas elevadas que podem atingir os 35 e os 37 graus no interior centro e sul e em especial nos distritos de Castelo Branco, Portalegre, Évora, Beja e Faro.

Para domingo e segunda-feira prevê-se uma ligeira descida das temperaturas, mas ainda persiste o vento forte com rajadas até 55 quilómetros por hora, sobretudo a sul do Cabo Carvoeiro durante a tarde, que será ainda “mais intenso” nas terras altas, adiantou Patrícia Gaspar.

A humidade relativa do ar será inferior a 20% em todo o país, embora tenha depois uma boa recuperação noturna”, frisou.

Apesar de serem dois dias com condições não tão desfavoráveis à progressão dos incêndios florestais, Patrícia Gaspar chamou a atenção para “o risco de incêndio se manter alto e às vezes até muito elevado em muitos concelhos do país”.

Portanto, todo o cuidado continua a ser pouco. Estamos no período crítico, em matéria de incêndios florestais, pelo que o uso do fogo junto aos espaços florestais é proibido”, lembrou.