O incêndio que deflagrou em Góis há uma semana e que consumiu mais de 20 mil hectares foi dado como extinto às 13:00, disse o comandante operacional Carlos Tavares.

Em declarações à SIC, no posto de comando de Góis, Carlos Tavares disse também que todo o perímetro está consolidado.

Temos de assegurar que não há reativações nesta zona. É difícil chegar a determinados pontos. Só com muito sacrifício de todos foi possível dar como extinto o incêndio a esta hora”, explicou.

O comandante explicou que, especificamente neste incêndio que começou em Góis e que alastrou a Pampilhosa da Serra e Arganil, sem provocar vítimas mortais, o sistema de comunicações (SIRESP), funcionou sem problemas.

Dois grandes incêndios, que provocaram a morte a 64 pessoas e ferimentos a mais de 200, deflagraram há uma semana na região Centro, tendo obrigado à mobilização de mais de dois milhares de operacionais.

Estes incêndios, que deflagraram nos concelhos de Pedrógão Grande e Góis, consumiram cerca de 53 mil hectares de floresta [o equivalente a 53 mil campos de futebol] e obrigaram à evacuação de dezenas de aldeias.

O fogo que deflagrou em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, alastrou a Figueiró dos Vinhos e a Castanheira de Pera.

As chamas chegaram ainda aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra, mas o fogo foi dado como dominado na quarta-feira à tarde.

O incêndio que teve início no concelho de Góis, no distrito de Coimbra, atingiu também Arganil e Pampilhosa da Serra, sem fazer vítimas mortais. Ficou dominado na manhã de quinta-feira.