O Governo adiou hoje o fim do período crítico de incêndios para 15 de outubro, devido às condições meteorológicas, permanecendo a proibição, entre outros, de fumar ou de fazer lume e fogueiras em espaços florestais e agrícolas.

“O secretário de Estado das Florestas assinou já a portaria que prorroga até ao próximo 15 de outubro o período crítico do Sistema de Defesa da Floresta contra incêndio”, refere, em comunicado, o gabinete do secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Amândio Torres.

O período crítico de incêndios, que deveria termina na sexta-feira, foi prorrogado devido às “condições meteorológicas”.

“As condições meteorológicas determinam a adoção desta medida, tendo em conta que se prevê tempo seco e quente e ventos, ou seja, a conjugação de fatores amigos do fogo, que ajudam à propagação de incêndios e que podem transformar qualquer pequena ocorrência num enorme desastre”, refere o secretário de Estado, citado no comunicado.

Durante o período crítico de incêndios é proibido nos espaços florestais e agrícolas fumar, fazer lume ou fogueiras, fazer queimas e queimadas, lanças foguetes ou balões de mecha acesa, bem como fumigar ou desinfestar e fazer circular tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.

Segundo a Autoridade Nacional da Proteção Civil, a área ardida este ano quase duplicou em relação a 2015, tendo os incêndios florestais consumido até 31 de agosto 107.128 hectares.

Em contrapartida, o número de ocorrências de fogo registadas, entre 01 de janeiro e 31 de agosto, desceu quase 25 por cento face ao mesmo período de 2015, segundo dados divulgados pela Autoridade Nacional da Proteção Civil a 06 de setembro.