A Associação Portuguesa de Técnicos de Segurança e Proteção Civil (Asprocivil) alertou, este domingo, empresas que prestem serviços públicos de necessidades primárias e autarquias para o reforço da prevenção pelo menos durante os alertas de mau tempo.

Em comunicado, a Asprocivil alerta «as empresas públicas e privadas envolvidas na prestação dos serviços públicos de necessidades primárias, em especial os de energia, gás e telecomunicações, mas também as concessionárias de estradas e autoestradas, bem como câmaras municipais para adotarem comportamentos de prevenção, garantindo a mobilização preventiva e o pré-posicionamento de meios (humanos e materiais) e o aumento quantitativo e qualitativo dos mesmos, pelo menos enquanto durarem os sucessivos alertas».

A Asprocivil sublinhou que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera tem vindo a avisar que as condições meteorológicas adversas se irão agravar ainda mais nos próximos dias, com especial relevo em alguns distritos com elevado índice demográfico.

«Este alerta é importante porque tem sistematicamente falhado ao longo dos anos, dando por vezes origem a situações de perigo ou de acréscimo de vulnerabilidades desnecessárias, bem como ao aumento dramático da reposição da normalidade», acrescentou a Asprocivil.

A associação apelou ainda aos operadores da proteção civil, e aos cidadãos em geral para difundirem, nomeadamente através dos órgãos de comunicação social e rede de GSM/3G (SMS ¿ telemóveis), as medidas de prevenção e autoproteção para as zonas onde se prevê maior impacto das condições adversas.

Entre as medidas incluem-se os cuidados redobrados na condução rodoviária, a verificação da limpeza dos sistemas das águas pluviais, evitar circular nas zonas costeiras e ribeirinhas ou no interior das matas e florestas, e evitar permanecer junto de áreas arborizadas, ou com elementos suspensos.