A Polícia Judiciária indicou, esta sexta-feira, que realizou uma dezena de buscas em Lisboa, Porto e Portalegre, para obtenção de provas relacionadas com contratos públicos de aquisição e manutenção de aeronaves para combate a incêndios.

Em comunicado citado pela Lusa, a PJ adianta que na operação, denominada “CROSSFIRE”, foi apreendida diversa documentação e material com interesse probatório.

Nas buscas participaram um magistrado judicial, quatro magistrados do Ministério Público e cerca de sete dezenas de investigadores e peritos da Polícia Judiciária.

“A operação, que decorreu nas áreas de Lisboa, Porto e Portalegre, dirigiu-se a domicílios, empresas e entidades públicas e teve como objetivo a obtenção de elementos de prova relacionados com contratos públicos de aquisição e manutenção de aeronaves para combate a incêndios”, precisou a PJ.


De acordo com a PJ, em causa nesta investigação está a eventual prática dos crimes de corrupção, participação económica em negócio e falsificação de documentos.

Uma nota da Procuradoria-Geral da República referia que em causa estão suspeitas de corrupção, participação ecónómica em negócio, falsificação e prevaricação na contratação internacional para aquisição de meios áereos de combate a incêndios.

A Polícia Judiciária realizou esta sexta-feira buscas na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em Carnaxide, Lisboa, no aeródromo de Ponte Sor, e na empresa de aviação Everjets, conforme disseram à agência Lusa fontes policiais.

No aeródromo municipal de Ponte de Sor, distrito de Portalegre, está sedeada a base de meios aéreos da Proteção Civil, entre outros serviços.