A GNR deteve, esta quarta-feira, três homens em Palmeira, Braga, durante buscas a residências e a um bar, no âmbito de um inquérito pela prática de lenocínio, informou aquela força.

No estabelecimento comercial, foram identificadas 14 mulheres de seis nacionalidades.

Na operação, a GNR deu cumprimento a dois mandados judiciais de detenção, sendo visados o explorador e um outro funcionário do bar, com idades de 39 e 43 anos, respetivamente.

Foi também detido o porteiro do bar, por posse de arma proibida, no caso, uma faca de abertura automática.

Das 24 mulheres identificadas, cinco foram notificadas para abandonarem o país de forma voluntária e duas foram notificadas para comparecerem no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) a fim de regularizarem processos pendentes.

Uma outra foi detida por permanência ilegal em território Nacional e entregue ao SEF, para condução ao Tribunal Judicial de Braga.

No bar, foi apreendido diverso equipamento informático utilizado em faturação e registos, nomeadamente computadores, discos externos e gravadores digitais, bem como diverso material utilizado na prática delituosa de lenocínio.

Comete lenocínio quem, profissionalmente ou com intenção lucrativa, fomentar, favorecer ou facilitar o exercício por outra pessoa de prostituição.

A investigação que culminou na madrugada de hoje com três detenções decorre há um ano, pelo Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial de Braga da GNR.

Das buscas hoje realizadas, duas foram em residências e a outra num bar.

Os detidos vão ser presentes a tribunal, para aplicação das respetivas medidas de coação.