Os novos programas e metas curriculares das disciplinas de matemática A e Português geraram reações bastante diferentes. Enquanto a Sociedade Portuguesa da Matemática aplaude o documento, a Associação de Professores de Português tece duras críticas à proposta.

A Associação de Professores de Português (APP) considerou, esta segunda-feira, que a proposta do novo programa de Português do ensino secundário tem «escassa exequibilidade» e dedica pouco tempo à escrita e à gramática.

De acordo com a APP, o programa apresenta «escassa exequibilidade» e «falta de rigor conceptual», assim como «uma imposição de textos e autores».

Para a associação, «o tempo atribuído à escrita e à gramática» é «claramente insuficiente para o cumprimento das metas propostas», e na gramática «há o esquecimento das variedades da língua portuguesa falada no território nacional».

A APP considera, igualmente, «problemático o número de textos obrigatórios, muitos deles temporal e culturalmente afastados do presente dos alunos».

No parecer, a Associação de Professores de Português lamenta que os escritores dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa tenham sido «quase totalmente banidos ou relegados para um segundo plano».

A APP reprova, ainda, «veementemente», a substituição do «Memorial do Convento», de José Saramago.

«Quanto a Saramago, se a intenção era apenas mudar para um novo texto, outras obras havia mais significativas para os alunos, como, por exemplo, «Ensaio sobre a Cegueira» ou «Ensaio sobre a Lucidez», sustenta.

O «Memorial do Convento» foi retirado das leituras do 12.º ano e substituído por outros dois romances do escritor, «O Ano da Morte de Ricardo Reis» e «História do Cerco de Lisboa».

Matemática bem aceite pela SPM

Por sua vez, a Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) deu nota positiva à proposta de novo programa curricular de Matemática A, apesar de considerá-lo extenso, exigindo «um esforço significativo de formação e acompanhamento» dos professores.

Apesar deste reparo, a Sociedade Portuguesa de Matemática entende que a proposta de novo programa prepara alunos do secundário «para prosseguimento de estudos no ensino superior, nas áreas de ciências, engenharias e economia».

A SPM sustenta, ainda, que o documento apresentado «está bem estruturado, claramente redigido», com «conteúdos precisos», deixando ao critério do professor «a escolha das estratégias pedagógicas mais adequadas».

A Sociedade Portuguesa de Matemática destaca, também, a «grande utilidade» dos cadernos de apoio, com exercícios propostos e soluções, podendo «ser trabalhados em grupos de professores de uma mesma escola ou agrupamento».

De acordo com a SPM, o novo programa de Matemática A dá, em comparação com o que está atualmente em vigor, «maior relevância» à Lógica e Teoria dos Conjuntos no início do 10ºano, que «permite incutir o rigor e a necessidade de concentração que se espera e exige dos alunos».