A Presidente da Federação dos Bancos Alimentares, Isabel Jonet, alertou para a existência de «profissionais da pobreza» em Portugal e apelou ao reforço da cooperação entre as instituições de apoio social para combater este flagelo, de acordo com o Jornal de Notícias. As declarações foram feitas esta quinta-feira, no final da conferência de encerramento do 29º Encontro da Pastoral Social, em Fátima.

«Em Portugal há aquilo a que chamamos a transmissão intergeracional da pobreza e temos que quebrar com essa transmissão. Há profissionais da pobreza habituados a andar de mão estendida, sem qualquer preocupação em mudar, e as instituições, por mais assistencialistas que sejam, têm que fazer o acompanhamento e a supervisão, para que se quebrem os ciclos de pobreza», destacou.

Isabel Jonet sublinhou ainda que a pobreza no país atinge 20 por cento da população e que é necessário combater a apatia e a indiferença, quer das pessoas, quer das instituições.

«Muitas pessoas querem ter a sua resposta social e por vezes sobrepõem respostas com entidades ou organizações que, à sua beira, fazem o mesmo. Portanto, temos que encarar a a solidariedade social e o exercício da solidariedade como algo que tem que se fazer de forma integrada», justificou.

Para Jonet, o trabalho das instituições deve ser estruturado em rede e contemplar a partilha de recursos e novas técnicas de gestão e organização.