Três semanas depois do arranque do ano letivo, ainda há 500 mil alunos sem professores. Um pouco por todo o país, multiplicam-se os protestos de alunos e encarregados de educação contra a falta de professores nas escolas.

O ministério da educação veio tranquilizar os professores contratados que no próximo ano letivo cumprem os cinco contratos sucessivos e que só agora estão a ser colocados.

Em comunicado, Nuno Crato garante que vai aplicar efeitos retroativos, a 1 de setembro, a todos estes professores de forma a não serem prejudicados e possam ficar vinculados ao estado no próximo ano.

Os próprios alunos não ficam contentes com os furos no horário. Consideram «inadmissível» o que está a acontecer.