A produção de mel certificado da Serra da Lousã registou este ano “uma quebra muito grande”, que em alguns apiários pode ultrapassar os 50% em relação ao ano passado, disseram esta sexta-feira à Lusa responsáveis da Cooperativa Lousamel.

Em média, o decréscimo da produção de mel “será para metade”, mas alguns apicultores da região, incluindo “muitos associados” desta cooperativa, com sede na Lousã, tiveram “perdas de dois terços” face à cresta (colheita do mel das colmeias) de 2014, disse a diretora executiva da empresa, Ana Paula Sançana.

“As quebras de produção são muito grandes”, corroborou o presidente da Lousamel, António Carvalho, em declarações à agência Lusa.

Em 2013, a produção do mel de urze com denominação de origem protegida (DOP) da Serra da Lousã ascendeu a 27 toneladas, acabando por ser ligeiramente reforçada no ano seguinte.

Perante a escassez de mel recolhido este ano nos 10 municípios que integram a região do mel DOP Serra da Lousã, uma realidade comum nesta safra a outras regiões de Portugal, a Lousamel decidiu aumentar de três para quatro euros o preço que paga por cada quilo de mel ao produtor.

“Esta é uma forma de escoar o mel DOP através da Cooperativa, dando prioridade aos nossos associados”, disse Ana Paula Sançana, no momento em que a certificação do produto junto dos apicultores regista um atraso de “algumas semanas”, depois de a Lousamel ter optado por confiar o processo a uma nova entidade.

A baixa produção de mel da Serra da Lousã, tal como no resto do país, foi determinada pelas condições associadas ao clima.

“A chuva não veio este ano no momento certo”, lamentou a mesma responsável.

Por outro lado, “há muitos apicultores que têm investido mais na produção de enxames” para comercialização, o que origina quebras na produção de mel.

Ana Paula Sançana realçou que o preço de um enxame novo, mais IVA, ronda os 65 euros, o que, de momento, torna atrativa a reprodução e venda das colónias.

Quantas mais enxameações ocorrerem, menor será a quantidade de mel em cada ano, sublinhou.

Arganil, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela e Vila Nova de Poiares, nos distritos de Coimbra e Leiria, são os municípios que integram a região do mel DOP Serra da Lousã.

Com quase 27 anos de existência, a Lousamel reúne 350 apicultores e exporta mel DOP para a Alemanha, além de fornecer a rede de distribuição da Sonae.

Tem vindo também a exportar “pequenas quantidades” para países como Angola e Noruega.

Responsável pela gestão da DOP, a Lousamel comercializa o mel produzido por 45 associados e pela própria cooperativa, que possui dois apiários, em Miranda do Corvo, com um total de 120 colmeias.