O julgamento do processo dos "vistos gold", em que é arguido o ex-ministro da Administração Interna Miguel Macedo, começa a 10 de janeiro de 2017, disse hoje à agência Lusa fonte judicial.

A mesma fonte adiantou que, além da primeira sessão de audiência, já estão marcadas três sessões semanais até 05 de abril.

O coletivo de juízes que vai julgar o caso é constituído por Francisco Henriques (que preside), Rui Coelho e Alexandra Veiga.

O magistrado do Ministério Público designado para o julgamento é o procurador José Nisa.

Além de Miguel Macedo, estão ainda entre os 17 arguidos o ex-presidente do Instituto de Registos e Notariado (IRN) António Figueiredo, o ex-diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Jarmela Palos, a ex-secretária-geral do Ministério da Justiça Maria Antónia Anes, três empresários chineses e um angolano, bem como o empresário da indústria farmacêutica Paulo Lallanda de Castro e dois funcionários do IRN.

A investigação da "Operação Labirinto", efetuada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), está relacionada com a aquisição de vistos ‘gold' por cidadãos estrangeiros interessados em investir e residir em Portugal, estando em causa indícios de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem, prevaricação, peculato de uso, abuso de poder e tráfico de influência.