O presidente do Banco Privado Atlântico, Carlos Silva, negou, nesta segunda-feira, as acusações do ex-procurador Orlando Figueira no âmbito do processo Operação Fizz, considerando que são uma tentativa “recente e oportunista de adulterar a realidade”.

Tenho lido pela comunicação social portuguesa passagens de afirmações do ex-procurador Orlando Figueira em tribunal, em que me são imputados atos que não pratiquei. Esta tentativa recente e oportunista de adulterar a realidade, assenta em insinuações falsas”, afirma, em comunicado enviado às redações.

Carlos Silva explica que foi ouvido na fase de inquérito, na qualidade de testemunha.

A TVI sabe que o tribunal vai notificar Carlos Silva para vir a Portugal depor presencialmente

Tive ocasião de responder a todas as questões formuladas pelo Ministério Público, com todo o detalhe e rigor, designadamente quanto às circunstâncias em que conheci e em que contactei com o referido senhor”, indica, ainda, no comunicado.

O presidente do banco angolano garante que nunca teve outro contacto “pessoal, telefónico ou por outra via” com Orlando Figueira para além do que relatou no depoimento. “Nem muito menos lhe fiz qualquer convite de trabalho”, diz.

Carlos Silva salienta que são “evidentes os motivos que levam o ex-procurador a enveredar nesta fase por esta estratégia”, mas acrescenta que estava na altura de vir a público “repor a verdade”.

Na fase de contestação à acusação do processo Operação Fizz, o ex-procurador Orlando Figueira insistiu que é inocente, que Carlos Silva e o advogado Daniel Proença de Carvalho deviam ser arguidos e que o ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente nada tem a ver com o processo.

Nas sessões de julgamento a contestar a acusação do Ministério Público (MP) sobre corrupção, branqueamento, falsidade e violação do segredo de justiça, Orlando Figueira alegou várias vezes a sua inocência, e mesmo ingenuidade, e apontou o dedo ao presidente do Banco Privado Atlântico e a Daniel Proença de Carvalho, dizendo que ambos deviam ter sido constituídos arguidos.

Segundo Orlando Figueira, os contratos de trabalho que assinou foram para ir trabalhar para Angola para o BPA de Carlos Silva e que não cumpriu os compromissos e que este, por intermédio de Proença de Carvalho, lhe tinha tentado comprar o silêncio com a rescisão amigável do contrato de trabalho e respetivo pagamento de impostos.

O processo Operação Fizz, que tem ainda como arguidos o engenheiro Armindo Pires e o advogado Paulo Blanco, assenta na acusação de que Manuel Vicente corrompeu Orlando Figueira, com o pagamento de 760 mil euros, para que este arquivasse dois inquéritos, um deles o caso Portmill, relacionado com a aquisição de um imóvel de luxo no Estoril.

Manuel Vicente foi acusado de corrupção ativa, mas o seu processo foi separado da Operação Fizz no início do julgamento, numa altura de grande tensão nas relações diplomáticas entre Angola e Portugal e vários apelos públicos ao desanuviamento das mesmas.