Uma cidadã portuguesa foi condenada a 15 meses de prisão no âmbito de uma operação das autoridades inglesas, em colaboração com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) português, que desmantelou uma rede de casamentos de conveniência.

De acordo com um comunicado do SEF, a «Immigration and Borders Service», em colaboração com as autoridades portuguesas, desmantelou uma rede de casamentos de conveniência, operação que terminou com a condenação a penas de prisão de um cidadão estrangeiro (quatro anos) e de uma cidadã nacional (15 meses), enquanto outros quatro foram condenados a um ano de prisão.

A investigação iniciada na Direção Regional do Norte do SEF apurou a existência de uma rede de recrutamento de portuguesas para casarem no Reino Unido com cidadãos oriundos do Paquistão e da India, a troco de uma remuneração que poderia chegar aos 3.000 euros.

Segundo o comunicado, após as primeiras diligências, e confirmado que o objetivo da rede visava a legalização de cidadãos fora da União Europeia em Inglaterra, foi estabelecida a colaboração com as autoridades policiais inglesas.

Dessa forma, e segundo o SEF, foi apurado que se tratava de uma «rede criminosa complexa», que tratava das viagens de e para Inglaterra, do alojamento e preparação dos cidadãos nacionais para contornarem as autoridades inglesas, criando a aparência da existência de uma «verdadeira relação» entre os noivos.

As autoridades inglesas pediram a colaboração do SEF, tendo mantido reuniões entre os elementos das duas forças policiais, com constante troca de informação e colaboração no cumprimento de uma carta rogatória pelo DIAP do Porto.