Um jovem de 17 anos suspeito de matar um outro, de 14 anos, em maio, em Salvaterra de Magos, Santarém, vai manter-se em prisão preventiva depois de revista a medida de coação, disse esta quarta-feira à agência Lusa fonte judicial.

Segundo a mesma fonte, o despacho de revisão da medida de coação do Ministério Público, que mantém Daniel Neves num estabelecimento prisional para jovens, em Leiria, tem data de segunda-feira.

O arguido, que está em prisão preventiva desde 15 de maio - dia em que foi presente a primeiro interrogatório pelo juiz de instrução criminal (JIC) -, viu esta semana a medida de coação ser reavaliada, após três meses da sua aplicação, como determina a lei.

Filipe Diogo, de 14 anos, foi encontrado morto, a 14 de maio, numa arrecadação de um prédio da vila de Salvaterra de Magos, tendo fonte policial dito à Lusa, na ocasião, que o suspeito era conhecido do jovem e morador na zona onde ocorreram os factos.

Daniel Neves está “fortemente indiciado” da prática de um crime de homicídio qualificado e de um crime de profanação de cadáver.

A prisão preventiva determinada pelo JIC, em maio, foi fundamentada pela existência de risco de fuga, de perturbação do inquérito e “em razão da natureza e das circunstâncias do crime e da personalidade do arguido”.

Além disso, o juiz justificou ainda a aplicação da medida de coação mais gravosa com o receio de que o arguido continuasse a atividade criminosa e que ocorresse perturbação grave da tranquilidade pública.

A mãe da vítima participou o seu desaparecimento no posto da GNR de Salvaterra de Magos na segunda-feira à noite, 11 de maio, tendo esta força de segurança e a Polícia Judiciária iniciado, na manhã seguinte, as buscas para encontrar o jovem.