Mais de 3.200 pessoas morreram nos últimos cinco anos, nas estradas portuguesas, na sequência de acidentes rodoviários, segundo dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), conhecidos neste domingo.

As 3.293 vítimas mortais registadas em Portugal, entre 2011 e 2015, estão entre os milhares de pessoas que hoje vão ser recordadas no Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, que é celebrado anualmente no terceiro domingo de novembro.

Os relatórios da ANSR indica que, em 2011, morreram nas estradas portuguesas 891 pessoas, número que desce para 718, em 2012, voltando a descer para 637, em 2013, e mantendo-se praticamente igual, em 2014, ao totalizarem 638.

Os dados da ANSR mostram que este ano, entre 1 de janeiro e 7 de novembro, os desastres provocaram 409 mortos, mais 12 do que em igual período de 2014, quando tinham morrido 397.

Os distritos com mais vítimas mortais este ano são o Porto (46), Aveiro (43) e Lisboa (41), enquanto o que regista menos mortos é Bragança (três).

Segundo a Segurança Rodoviária, que reúne dados da PSP e da GNR, o número dos acidentes também está a aumentar este ano, tendo-se registado, até 07 de novembro, 103.883, mais 5.396 do que em 2014.

Os desastres também causaram este ano 1.850 feridos graves, mais 38 do que em igual período de 2014.

Reconhecido pelas Nações Unidas e assinalado em Portugal desde 2001, o Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada é dedicado à memória dos muitos milhões de pessoas mortas e feridas em desastres de viação em todo o mundo.

Este ano, a data é assinalada em Évora, estando a cerimónia a cargo da Estrada Viva - Liga contra o Trauma, em colaboração com as entidades governamentais portuguesas, nomeadamente ANSR, PSP e GNR.