Três projetos portugueses, um desenhado para a China por Siza Vieira, outro em Portugal pelo ateliê Spaceworkers, e outro em Cabo Verde pelo ateliê OTO, estão entre os vencedores do Prémio Internacional Archdaily Building of the Year 2015.

Os vencedores nas 14 categorias foram anunciados esta quinta-feira pela organização do galardão, após uma segunda fase de votação online, em que nove projetos portugueses concorriam entre 70 finalistas escolhidos, num universo de 3.500 projetos de todo o mundo.

Os projetos portugueses venceram nas categorias de Escritório (Álvaro Siza Vieira e Carlos Castanheira), Arquitetura Cultural (ateliê OTO para Cabo Verde), e Casas (Sambade, do ateliê Spaceworkers).

O projeto do ateliê OTO para o Parque Natural do Fogo foi inaugurado em março do ano passado, mas foi destruído em novembro pela erupção vulcânica que afetou aquela ilha de Cabo Verde.

Fundada em 2008, a Archdaily é uma plataforma online de informação e divulgação da arquitetura que contabiliza 350 mil visitas diárias e atribui anualmente este prémio a projetos que se estacam pela inovação espacial, social, material e técnica.

Na lista de 70 finalistas estavam nove projetos de arquitetos portugueses desenhados para o país ou para o estrangeiro.

Além dos vencedores, eram finalistas, na categoria Habitação, a DM2 Housing do ateliê OODA, e na categoria de Hospitalidade o White Wolf Hotel, do atelier AND-RÉ, a Casa no Tempo dos arquitetos Aires Mateus e de João e Andreia Rodrigues, e o Ozadi Hotel, de Pedro Campos Costa.

Também em Portugal eram finalistas os projetos JA House, de Filipe Pina e Maria Inês Costa na categoria de Remodelação, e o Centro de Artes Nadir Afonso, por Louise Braverman na categoria Arquitetura Cultural.