A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar as causas do incêndio que, na manhã de hoje, destruiu um apartamento num edifício de sete andares na cidade do Funchal, não provocando feridos.

Segundo o coordenador da PJ na Madeira, Eduardo Nunes, quaisquer esclarecimentos sobre o caso apenas serão revelados em comunicado, na terça-feira.

O incêndio destruiu um apartamento e provocou danos em outros dois no edifício Elias Garcia I, no Funchal, sem causar feridos, disse fonte dos bombeiros.

O fogo, que se deu num apartamento situado no quarto piso de um edifício de sete andares, foi combatido por 25 homens dos Bombeiros Municipais do Funchal e dos Bombeiros Voluntários Madeirenses.

O comandante dos Bombeiros Municipais do Funchal (BMF), Nelson Bettencourt, disse à Lusa que, «em princípio, nada impede» que os moradores do prédio, na Rua Elias Garcia, voltem ao edifício, exceção feita ao morador do apartamento onde deflagrou o incêndio, que ficou completamente destruído.

Por seu turno, o vereador da Câmara do Funchal responsável pelo pelouro da proteção civil, Amílcar Gonçalves, disse à Lusa que a autarquia «vai proceder esta tarde a uma peritagem ao edifício».