A Universidade de Vila Real está a promover, neste início de ano, uma praxe «inclusiva e solidária», com a realização de campanhas de limpeza, recolha de alimentos ou de angariação de fundos para crianças doentes.

O desafio foi lançado pelo novo reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Fontainhas Fernandes, e bem acolhido pela Associação Académica e Conselho de Veteranos.

A reitoria explicou hoje que as práticas de receção aos novos estudantes, as praxes, têm vindo a aumentar de intensidade nos últimos anos e, por causa disso, quer agora que sejam realizadas ações «alternativas que ajudem a integrar os estudantes».

A ideia, segundo afirmou à agência Lusa o reitor Fontainhas Fernandes, é que sejam realizadas «atividades de inclusão com características solidárias».

«O objetivo é integrar os novos alunos no mundo académico e na sociedade», salientou.

E algumas das iniciativas que vão desenvolver até ao final de outubro são, por exemplo, a realização de sessões de fotografia, dinamizadas por estudantes de Comunicação, cujas fotos poderão vendidas para criar um fundo de apoio a crianças doentes na área de oncologia.

Os estudantes de Teatro vão também ensaiar ações de animação destinadas a jovens com necessidades especiais, em colaboração com a Associação de Paralisia Cerebral.

A generalidade dos estudantes vai também envolver-se em campanhas de recolha de alimentos a entregar a Instituições Particulares de Solidariedade Social.

E, atendendo a que UTAD está enquadrada num campus que é, simultaneamente, um jardim botânico, vão ainda ser realizadas operações de limpeza na universidade e a dinamização de boas práticas ambientais.

Estas atividades serão organizadas conjuntamente pelas escolas, departamentos, cursos e comissões de curso.

Pretende-se ainda, segundo a reitoria, instituir um sistema de tutoria aos estudantes do 1º ano, para efeitos de integração e acompanhamento por docentes, bem como estabelecer sistema de horários e de práticas pedagógicas e de avaliação contínua desincentivadoras da praxe tradicional, pela ocupação produtiva do tempo dos estudantes.

Sérgio Martinho, presidente da Associação Académica, referiu que as atividades começaram esta semana e estão a ser bem acolhidas pelos caloiros da UTAD.

O estudante referiu ainda que esta iniciativa não deriva de nenhum problema verificado com as praxes em Vila Real, mas sim de uma vontade de que as praxes sejam, cada vez mais, um «momento de integração».

Nesta primeira fase, das 1336 vagas que a UTAD disponibilizou, foram preenchidas 1057, ou seja, 80%.

Os cursos mais procurados foram Medicina Veterinária, Ciências do Desporto, Economia e Gestão, Ciência da Comunicação, Enologia e Genética e Biotecnologia.

Por sua vez, Engenharia Civil, Matemática foram licenciaturas que não tiverem qualquer aluno nesta fase.