As operações de alimentação artificial das praias da Costa de Caparica, afetadas pelo mau tempo, deverão começar até final de junho, para serem concluídas em dois meses, disse esta terça-feira o ministro do Ambiente.

Jorge Moreira da Silva, que está a ser ouvido na comissão parlamentar do Ambiente, Ordenamento do Teeritório e Poder Local, avançou que as obras avaliadas em cinco milhões de euros foram antecipadas.

«A intenção é que no final de junho se possa iniciar esta alimentação artificial, com um milhão de metros cúbicos de areia nas praias e que possa estar concluída em dois meses», referiu.

O trabalho está a ser realizado em colaboração com as autarquias, apontou o ministro, acrescentando que serão «minimizados os danos» na época balnear.

«Vamos tentar que o acesso a cada praia não esteja impedido mais de uma a duas semanas», explicou.

Esta operação não estava prevista, mas o Governo conseguiu acelerar os prazos dentro das regras orçamentais e financeiras para resolver os estragos decorrentes dos temporais do inverno, segundo Jorge Moreira da Silva.

O ministro respondia a questões da deputada do partido Os Verdes, Heloísa Apolónia, sobre as intervenções previstas para a orla costeira devido ao mau tempo.

Do total de 300 milhões de euros previstos para obras, faltam adjudicar cerca de 26 milhões.

Jorge Moreira da Silva acrescentou que cerca de 265 milhões de euros têm já procedimento iniciado, obra executada, começada, em concurso ou em fase de adjudicação.