As buscas para encontrar indícios que levem ao paradeiro de Madeleine McCann foram esta terça-feira retomadas na Praia da Luz, no Algarve, pelas polícias portuguesa e britânica, com equipas de cães pisteiros.

No segundo dia de trabalhos, que se iniciaram pelas 08:30, as autoridades policiais estão a utilizar cães pisteiros da Guarda Nacional Republicana (GNR) em toda a zona envolvente ao miradouro da Praia da Luz.

Nos trabalhos estão envolvidos cerca de quatro dezenas de elementos da Polícia Judiciária, Scotland Yard (britânica) e da GNR, e equipamentos tecnológicos como georradares e drones.

O terreno de vários hectares, com a uma área equivalente a cerca de três campos de futebol, foi na segunda-feira vedado, tendo a polícia procedido a marcações e à instalação de tendas em vários locais.

Fonte da Polícia Judiciária disse à Lusa que os trabalhos deverão estender-se por toda a semana e preveem escavações em locais previamente referenciados pela polícia britânica, que através de carta rogatória requereu as diligências para procurar indícios que possam levar à localização da menina inglesa.

Sete anos depois de desaparecimento de Madeleine McCann, as autoridades portuguesas e inglesas regressaram à Praia da Luz, no concelho de Lagos, para vistoriarem terrenos adjacentes ao aldeamento turístico onde a família se encontrava alojada de férias.

As diligências foram requeridas pela Scotland Yard, que nunca fechou a investigação, ao contrário das autoridades portuguesas, que encerraram o processo em 2008.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico na Praia da Luz, no Algarve.