Um «alarme» vai soar em vários pontos do litoral europeu, incluindo cinco locais portugueses, para alertar as populações e os políticos para dos efeitos das alterações climáticas, uma iniciativa em que participa a associação ambientalista.

Em Portugal, na manhã de quarta-feira, a Quercus anunciou que vai fazer «soar o alarme» em Lisboa (no Cais das Colunas), Porto (na Foz), Ílhavo, Leiria e Costa da Caparica, já que um dos principais impactes das alterações climáticas está relacionado com a subida do nível do mar, que à escala mundial, pode atingir cerca de um metro, no ano 2100.

«A enorme ondulação que tem afetado a costa portuguesa resulta de tempestades que se tornarão cada vez mais frequentes e mais intensas», refere uma informação da Quercus.

A associação ambientalista escolheu «locais críticos» do litoral para mostrar quanto vai o mar subir e, simbolicamente, alguns dos seus membros vão usar coletes salva vidas para chamar a atenção para a ameaça crescente sobre as populações e os seus bens.

No âmbito da Semana de Ação pelo Clima, que decorre até sábado, as organizações não governamentais reunidas da Rede Europeia de Ação Climática têm iniciativas por toda a Europa para «exigir aos decisores políticos europeus que tomem a tempo as decisões certas» para parar o aumento das emissões dos gases com efeito de estufa.

Os primeiros ministros e chefes de Estado europeus vão reunir-se em março para decidir o futuro das políticas de energia e clima para os próximos 15 anos.

A Comissão Europeia apresentou em janeiro o novo quadro de política climática e energética, que prevê a diminuição das emissões de gases com efeito de estufa em 40% até 2030 e o aumento para 27% da contribuição das energias renováveis no total do consumo energético.

«É fundamental que Portugal e os líderes europeus apoiem um plano que nos proteja verdadeiramente das ameaças das alterações climáticas e nos comprometa a manter o aumento global de temperatura abaixo dos dois graus Celsius», resume a Quercus.