Os serviços municipais de Póvoa de Lanhoso destruíram mais de 30 ninhos de vespa asiática, todos os que até à data foram referenciados, mas os meios disponíveis para combater a praga são insuficientes.

 

Em comunicado enviado à Lusa, a autarquia acrescenta que o trabalho de destruição decorre desde agosto e tem contado com a ajuda de alguns apicultores, a título individual e em regime de voluntariado.

 

O vereador da Proteção Civil, Armando Rodrigues, admitiu que a Câmara tem «parcos recursos» para combater aquela praga e apelou ao Governo para dotar as autarquias dos «meios necessários».

 

«É uma praga que destrói as nossas colmeias, afetando a produção de mel», sublinhou.

 

A Câmara ressalva, no entanto, que não se está perante «um risco acrescido para a saúde pública», adiantando que «os perigos que representam estas vespas são idênticos aos das vespas autóctones».

 

Infografia: saiba se a vespa asiática é um perigo para Portugal

 

«A vespa asiática é prejudicial, porque é predadora da abelha europeia, produtora de mel. Como consequência direta e económica, diminui a produção de mel e seus derivados. Como consequência ambiental, diminui a polinização vegetal, pondo em risco a biodiversidade», lê-se no comunicado.

 

Por isso, a Câmara apela à população para reportar «imediatamente» a deteção de qualquer ninho, de modo a que as equipas de combate criadas para o efeito possam intervir corretamente e em segurança no terreno.

 

O apelo é especialmente direcionado a apicultores, agricultores, caçadores e população em geral com práticas de vida ao ar livre, nas suas corridas ou caminhadas.

 

Os casos devem ser reportados ao serviço municipal de proteção civil, juntas de freguesia, bombeiros ou GNR.