A Autoestrada da Beira Interior (A23) foi cortada esta noite, cerca das 20:00, em ambos os sentidos, na zona de Abrantes, Santarém, devido ao incêndio que lavra desde quarta-feira.

Segundo o comandante da GNR de Abrantes, capitão Flambó, a A23 foi cortada por questões de segurança, na sequência do fogo que deflagrou quarta-feira pelas 18:14 em Aldeia do Mato, União de Freguesias de Aldeia do Mato e Souto.

A circulação na A23 já tinha sido interrompida na quinta-feira, cerca das 19:40, mas acabou por ser reaberta cerca das 23:05.

Este incêndio está hoje a ser combatido por 694 operacionais, apoiados por 225 veículos e quatro meios aéreos, segundo o site da Proteção Civil, cerca das 20:40.

Também a Estrada Nacional 3 (EN3), que liga as localidades de Abrançalha de Baixo, Rio de Moinhos e Amoreira, no concelho de Abrantes, a Montalvo, já no concelho de Constância, está cortada à circulação rodoviária, segundo o responsável da GNR.

A presidente da Câmara de Abrantes disse à Lusa, cerca das 20:20, que o incêndio "continua descontrolado", estando "perto das localidades de Rio de Moinhos e Abrançalha de Baixo", freguesia de Rio de Moinhos e União de Freguesias de Abrantes, respetivamente, mas "sem necessidade de evacuar aldeias".

Seis aldeias - Medroa, Braçal, Amoreira, Pucariça, Aldeia do Mato e Carreira do Mato - tiveram de ser evacuadas nos últimos dois dias, tendo os habitantes sido encaminhados para o Regimento de Apoio Militar de Emergência" (RAME), no Quartel Militar de Abrantes.

As chamas consumiram, entretanto, uma casa de primeira habitação na Aldeia do Mato, tendo ficado desalojadas cinco pessoas, que se encontravam na praia fluvial local.

Segundo dados da ANPC, estão cortadas as seguintes vias: A23 - Rio Moinhos, EN 3, EN 358, EM 544, EM 1212-1.

A14 e quase 300 operacionais em Cantanhede

O incêndio que começou às 14:50 na localidade de Portunhos tem uma frente ativa em povoamento florestal e estava a ser combatido às 20:50 por 227 operacionais e 61 veículos, apoiados por três meios aéreos.

De acordo com a mesma informação, este incêndio provocou o corte da autoestrada A14 Coimbra-Figueira da Foz, entre os nós da estrada nacional 335 (Arazede/Cantanhede) e o nó da estrada 234-1, em Ançã.

Os nós de Ançã e de Arazede também dão acesso às estradas nacionais 234-1 e 335, respetivamente, e a Cantanhede.

Já na quinta-feira, um incêndio em Ançã obrigou ao corte daquela autoestrada no troço entre Trouxemil/Coimbra Norte e o nó de Arazede, no concelho de Montemor-o-Velho, que dá acesso à estrada nacional 335, em ambos os sentidos. A via viria a ser reaberta pelas 23:00, quatro horas depois. Este fogo também obrigou, na quinta-feira, ao corte da A1, entre Coimbra Norte e Mealhada, durante cerca de nove horas.

Fonte dos bombeiros disse que este incêndio que deflagrou em Portunhos atravessou a A14 e entrou no concelho de Coimbra, onde lavra perto de povoações, no limite leste daquele município, que faz fronteira com o concelho de Montemor-o-Velho.

Fonte da GNR de Coimbra informou, por seu turno, que para além da A14 foi cortada a EN 111 entre a zona da Geria e o limite leste do concelho, perto da localidade de Lamarosa, na fronteira com o concelho de Montemor-o-Velho.

Já o presidente da Câmara de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, disse à Lusa que o incêndio que ameaça aquela área eclodiu em Cantanhede e as chamas estão a "ameaçar casas" nos limites do seu concelho, na zona da povoação de Casal das Figueiras (Coimbra).

A autarquia tem máquinas no local e está a fazer "um esforço de contenção, abrindo aceiros", indicou o autarca.

O outro incêndio que preocupa os bombeiros em Cantanhede eclodiu às 13:50 em Venda Nova do Bolho, freguesia de Sepins e está a ser combatido por 107 operacionais, 32 viaturas e um meio aéreo.

A página da ANPC indica que este incêndio é uma reativação e tem duas frentes ativas em povoamento florestal.

Esta sexta-feira, outro incêndio em Sepins, também em Cantanhede, concentra 102 operacionais, 31 veículos e um meio aéreo. 

Também na Mealhada, o incêndio que deflagrou durante a manhã de quinta-feira continua a ser combatido por 388 operacionais, apoiados por 104 veículos e um meio aéreo. Na zona de Cavaleiros, o fogo encontra-se próximo das habitações.

Criança assistida na A3

O incêndio que lavra desde a tarde nos concelhos da Trofa e Maia, distrito do Porto, "está ativo mas não houve necessidade de proceder a evacuações", indicou a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

"O incêndio lavra em locais que têm habitações dispersas mas neste momento os meios estão a conseguir garantir a proteção das casas e das populações", indicou a adjunta de operações da ANPC, Patrícia Gaspar.

A mesma fonte precisou que estão no local 117 operacionais, auxiliados por 34 veículos e que já foi dispensado o recurso a meios aéreos.

Esta ocorrência causou dois feridos leves.

Estão ativas duas frentes: uma na direção da serra de Cantoneiras e uma segunda em direção a Ermesinde, concelho de Valongo.

Depois de esta tarde, este incêndio ter obrigado ao corte da auto-estrada A3 (Porto/Braga) nos dois sentidos, entre Santo Tirso e Maia, entre as 17:00 e as 18:30.

Cerca das 21:30, estão cortadas as Estradas Nacionais 14 e 105-2.

Em causa está um incêndio que obrigou ao encerramento do Aeródromo Municipal da Maia, localizado em Vilar de Luz, freguesia de Folgosa, local onde estão estacionados os aviões que vão participar na Red Bull Air Race 2017, evento agendado para setembro.

Esta tarde, em declarações à Lusa, o diretor do aeródromo, Pedro Barros Prata, vincou "não existir risco" nem "situações anormais" e que "o aeródromo foi fechado por questões de segurança e para poder ser montado um posto de comando".

Em causa está um fogo também já causou danos em armazéns e um bombeiro foi assistido e transportado para o hospital de Famalicão, tendo já recebido alta hospitalar.

Soma-se o auxílio a uma criança que se sentiu mal no interior de um carro na A3 que foi transportada de ambulância para o Hospital de São João, no Porto.

Fogo em Nelas corta Linha da Beira Alta

A circulação na Linha da Beira Alta, entre Nelas e Mangualde, encontra-se interrompida devido a um incêndio que lavra no concelho de Nelas, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.

De acordo com a fonte, a Linha da Beira Alta foi cortada às 19:14 devido a um fogo que está a consumir uma zona de mato na zona industrial de Nelas.

O incêndio, que está ativo desde as 18:00, está a ser combatido por 137 bombeiros, apoiados por 32 meios terrestres e três meios aéreos, informa a página da Proteção Civil.

Mais de 300 operacionais estão a combater dois incêndios no concelho de Cantanhede, um dos quais se estendeu ao concelho de Coimbra provocando o corte da autoestrada A14 e da Estrada Nacional (EN) 111 que ligam à Figueira da Foz.