Passageiros de um voo da Everjets retidos em Malta desde terça-feira queixaram-se hoje da falta de informações sobre o regresso a Portugal, aguardando em La Valeta o regresso a Lisboa e ao Porto.

Somos mais de cem portugueses e esperamos desde ontem [terça-feira] o regresso a Portugal, mas, até este momento, ninguém nos dá informações”, disse Rute Teixeira, uma das passageiras do voo EVJ-917 que deveria ter descolado de Malta às 17:30 (18:30 em Lisboa) de terça-feira, em declarações à agência Lusa.

Segundo a mesma passageira, os portugueses encontravam-se esta manhã nos vários hotéis onde se encontravam instalados, depois de terem aguardado pelo voo até às 02:00 (03:00 em Lisboa) de quarta-feira.

Já de madrugada tivemos de chamar a polícia porque ninguém nos informava de nada, nem o aeroporto, nem a agência que representa a Everjets aqui. Disseram que não podiam fazer nada. Na altura, pedimos para irmos para a sala VIP porque tem mais condições para as crianças dormirem e não nos deixaram ir e só depois da intervenção da polícia nos foi dada autorização para sairmos do aeroporto e irmos para os hotéis de onde tínhamos saído”, acrescentou Rute Teixeira.

Contatada pela Lusa, a direção executiva da Everjets confirmou o atraso no referido voo, devido a uma avaria do aparelho fretado à companhia Air Horizont, avançando que já foi contratado o serviço de uma outra aeronave para trazer os passageiros de Malta, ainda durante o dia de hoje.

A Everjets está a cumprir escrupulosamente os regulamentos internacionais, como é seu timbre, tendo providenciado alojamento aos passageiros. A companhia não tem conhecimento que tenha havido falta de informação aos passageiros em devido tempo, o que, a ter acontecido, lamenta profundamente, pois não está de acordo com as práticas da companhia.”

Apesar de o voo EVJ-917 ser realizado por uma aeronave fretada à Air Horizont e não um avião da Everjets, a companhia lamentou os transtornos causados aos passageiros pela "ocorrência inesperada”, assegurando o “cumprimento de todas as suas responsabilidades, de acordo com os regulamentos internacionais de transporte aéreo”.