As buscas por Maëlys de Araújo, lusodescendente de nove anos, desaparecida no domingo, durante uma festa de casamento em Pont-de-Beauvoisin, em Isère, no sudeste de França, foram reforçadas, nesta quarta-feira, com 150 operacionais no terreno, entre agentes da polícia e militares, que vão à procura da "mais pequena pista" que possa ajudar a descobrir o paradeiro da criança.

A polícia francesa (Gendarmerie nationale) deu conta da operação na sua página no Facebook, na qual Maëlys de Araújo está em destaque.

Continuamos mobilizados para encontrar a mais pequena pista sobre o desaparecimento da pequena Maëlys (...). As buscas foram retomadas nesta manhã com o apoio de um esquadrão no terreno", escreveram as autoridades, reforçando o apelo a "quem tiver informações que possam ajudar a investigação".

O apelo está, aliás, destacado no topo da página da polícia, onde consta a descrição de Maëlys de Araújo, o contacto para informações e o pedido de divulgação, que conta já com milhares de partilhas.

Estes 150 novos elementos vão "passar a zona a pente fino", um terreno "acidentado e muito denso" disse a polícia à agência noticiosa France Presse (AFP).

As buscas foram retomadas cerca das 07:45. Vamos fazer o reconhecimento da mais pequena parcela de terra, do mais pequeno recanto de forma minuciosa, aprofundada. O nosso objetivo é passar toda a zona a pente fino até que o sol se ponha", indicou.

Logo no domingo foram mobilizados para as buscas uma centena de operacionais, entre polícias, bombeiros, mergulhadores, espeleólogos e cães-pisteiros", além de um helicóptero.

Na terça-feira, em conferência de imprensa, a procuradora de Bourgoin-Jallieu, Dietlind Baudoin, garantiu que "todos os cenários" continuam sob investigação, incluindo a "pista criminal" que "não está mais descartada".

Até à data foram ouvidas 140 das 180 pessoas que estavam na festa de casamento, mas no total a investigação vai ouvir 250 testemunhas, já que simultaneamente decorriam outras duas festas nas proximidades.

Uma das festas decorria no salão paroquial de Pont-de-Bonvoisin, a 350 metros da sala polivalente onde decorria o copo de água, e no qual estava a pequena luso-descendente, e a outra decorria num bar da aldeia a 500 metros do casamento.

Entre as pistas consideradas, a possibilidade de a criança ter sido metida num automóvel e raptada é uma das que está em cima da mesa. Isto porque os cães-pisteiros detetaram o cheiro da menina num parque de estacionamento e depois perderam-no, "o que pode indiciar ter havido um rapto", observou a procuradora francesa.

O desaparecimento de Maëlys de Araújo está a ser amplamente destacado na imprensa francesa, mas também nos media internacionais, como, por exemplo, em Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, Áustria e Polónia.