A polícia angolana está a investigar a morte de um cidadão português, assassinado no município de Cacuaco, Angola, durante um assalto à sua residência, informou o porta-voz da polícia em Luanda.

Fonte consular da embaixada portuguesa em Angola informou a agência Lusa que a morte terá ocorrido na noite de terça para quarta-feira, quando cinco homens assaltaram o apartamento onde vivia António Guerra, de 56 anos, no bairro dos Pescadores.

Segundo a fonte, foi uma morte violenta, provavelmente por ter reagido ao assalto, em que foram roubados alguns equipamentos eletrónicos, como telemóveis, tablets, entre outros.

Em declarações à agência Lusa, o inspetor-chefe Mateus Rodrigues confirmou a morte.

"Estamos a investigar e tão logo tenhamos mais informações viremos a público informar", referiu Mateus Rodrigues.

António Guerra estava inscrito no consulado desde 2012, era natural de Cascais, casado e com cinco filhos. O consulado está em contacto com a empresa em que trabalhava, um aviário em Luanda, para a transladação do corpo.

"Ele vivia com uma senhora angolana, mas nós estamos em contacto com a família em Portugal, um filho, e o desejo da família é que o senhor seja enterrado em Portugal", referiu a fonte.

"Neste momento o cadáver está na morgue de Cacuaco e estamos em contacto estreito tanto com a polícia, para tentar apurar sobre o que aconteceu concretamente e se eventualmente terão já sido apanhados os criminosos, e com a empresa para a transladação do corpo", acrescentou a fonte.