do montanhista português João Marinho

«Cada dia começamos as buscas como se fosse o primeiro dia. A esperança nunca morre», disse à agência Lusa fonte da Guardia Civil em Gijón.