A terceira e última Super Lua do ano ocorre na terça-feira, quando o satélite natural da Terra, em fase de Lua cheia, parecer maior quando estiver próximo do horizonte.

O fenómeno acontece praticamente todos os anos, mais do que uma vez, quando há Lua cheia e a diferença entre os seus instantes e os do perigeu (ponto da órbita da Lua que fica mais perto da Terra) é menor do que um dia e oito horas.

Na terça-feira, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), os dois acontecimentos estarão desfasados em 23 horas e cinco minutos, já que o perigeu lunar sucede na segunda-feira, às 13:01 (hora em Lisboa), e a Lua cheia ocorre na terça-feira, às 12:06.

A Lua nasce, na terça-feira, às 18:03. Nessa altura, e se as condições de visibilidade do céu o permitirem, "a Lua vai parecer maior do que o habitual, não apenas devido à ocorrência de Super Lua, mas também porque, estando próxima do horizonte, vê-se mais ampliada, o que é apenas uma ilusão de ótica", assinala o OAL na sua página na internet.

Na quarta-feira, adianta o Observatório, a Lua nasce às 18:49 e vai "continuar a parecer maior do que o habitual".

A Lua cheia ocorre quando há um alinhamento do tipo Sol–Terra–Lua.

As anteriores Super Luas, de 2015, aconteceram a 29 de agosto e a 28 de setembro. A de setembro foi a maior Super Lua do ano, uma vez que os instantes do perigeu e da Lua cheia distaram 66 minutos, tendo a Lua sido simultaneamente ocultada pela sombra da Terra, gerando-se um eclipse total de Super Lua, fenómeno raro que só volta a suceder em 2033.

No próximo ano, a Super Lua mais expressiva será a 14 de novembro, quando a Lua cheia está mais perto do perigeu lunar.