A Polícia Judiciária esclareceu esta sexta-feira que "não há razões para alarme" e que "o nível de ameaça terrorista em Portugal mantém-se inalterado". O comunicado da PJ surge na sequência da notícia avançada pelo Jornal de Notícias, que dá conta que um dos alegados responsáveis pelos atentados de 13 de novembro em Paris estará em Portugal acompanhado por outros dois jihadistas. 

A nota da polícia portuguesa refere que os alertas em causa na notícia do jornal são "uma prática habitual" que decorre da partilha de informações no âmbito da cooperação policial na União Europeia. 

"Não há quaisquer razões para alarme e o nível de ameaça terrorista em Portugal mantém-se inalterado. A operação 'Fronteira Segura', realizada no distrito de Viana do Castelo, decorre da atividade diária e normal das forças e serviços de segurança.


O Jornal de Notícias escreve esta sexta-feira que um dos alegados cabecilhas dos atentados de Paris estará em Portugal acompanhado por outros dois jihadistas. 

O diário cita fontes da polícia francesa, sublinhando que os três suspeitos estão armados e são considerados extremamente perigosos.  

De acordo com o mesmo jornal, o alegado cabecilha dos atentados chama-se Samir Bouzid e poderá deslocar-se num Citroën de cor escura e matrícula francesa. As autoridades admitem, no entanto, que Samir Bouzid esteja a usar uma identidade falsa. A presença do indivíduo já terá sido detetada na Bélgica. 

Os outros dois jihadistas serão Kevin Guiavarch (22 anos) e Memdi Kaddour (20 anos). 

Há ainda a informação de que um dos procurados poderá estar acompanhado por uma mulher e crianças.