Um cidadão português de 64 anos foi detido no porto de Ceuta quando pretendia embarcar para Algeciras (Cádis) com uma imigrante marroquina de 19 anos escondida no carro.

Segundo informou a Brigada Fiscal da Guardia Civil espanhola, a imigrante foi detetada na tarde de sexta-feira na mala do carro do português, entre a muita bagagem que bloqueava a visão para o interior da viatura. O carro tinha matrícula portuguesa e a jovem, de 19 anos, não tinha qualquer tipo de documentação que lhe permitisse entrar legalmente em Espanha.

Fonte da Guardia Civil de Ceuta confirmou à agência Lusa que o português foi detido por "delito contra os direitos de cidadãos estrangeiros" e que foi entregue à 3.ª Vara do Tribunal de Ceuta, para que um juiz lhe imponha a respetiva pena.

"A forma como tentou passar a jovem não a fez correr perigo de vida imediato", uma vez que "nem ia dentro de uma mala, nem estava perto do motor", disse a mesma fonte policial, acrescentando que "com a reforma do Código Penal [em Espanha] seguramente apenas terá de enfrentar uma sanção administrativa".


Desde que entrou em vigor a reforma do Código Penal em Espanha, este tipo de atuação - esconder uma pessoa entre as malas e não dentro de uma delas - evita que a pessoa transportada ponha a vida em risco. Este procedimento evita penas maiores a quem tenta passar as pessoas caso seja detetado. Assim, transportar migrantes sem que estes ponham a vida em risco não costuma dar pena maior do que uma multa.

Segundo a imprensa de Ceuta, esta situação tem levantado críticas entre os elementos das autoridades locais e os seus sindicatos, que consideram que a leveza da pena neste tipo de delito possa motivar mais pessoas a tentar o mesmo procedimento.

A Lusa contactou o Tribunal de Ceuta para obter mais informações sobre se o português já foi libertado - com multa administrativa - ou se ficou detido, mas o tribunal escusou-se a prestar esclarecimentos.