Rui Rio, presidente da Câmara do Porto, afirmou esta segunda-feira que o atraso da Região Norte, face ao resto do país e à média europeia, se deve a «um centralismo irracional» e à «hostilidade do Governo», informa a Lusa.

«Em Portugal temos um centralismo que raia o irracional e que asfixia todo o país, com particular incidência no Porto», declarou Rui Rio na sessão de abertura do fórum sobre o «Desenvolvimento na Região Norte», a decorrer na Faculdade de Letras do Porto.

As soluções apresentadas pelo presidente da Câmara do Porto, no sentido de contrariar o atraso económico, passam por uma maior solidariedade e pela abertura da discussão da temática da regionalização «sem bairrismos», mas «fora de partidarites e fora de emoções».

O facto de o Norte ser uma «zona fortemente industrializada» e «muito exportadora» justificam o aumento do desemprego na região, tendo em conta que «se os mercados se retraem, há menos vendas e o desemprego gerado é maior do que no resto do País», explicou Rui Rio.

Presente no fórum, a ex-ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, considera que «o investimento na área cultural e patrimonial é determinante para o desenvolvimento do turismo, sendo que, o turismo cultural gera receitas e efeitos económicos muito significativos. Pires de Lima acredita que o sector cultural é um «eixo fundamental de desenvolvimento e crucial para o desenho de estratégias económicas e sociais».

O fórum também contou com a presença de Valdemar Madureira, representante da direcção regional do PCP, que declara que «o Norte está doente» e acredita que a «regionalização não é remédio para todos os males, mas pode constituir um instrumento para a descentralização».