A Câmara do Porto anunciou hoje que começa na segunda-feira a terceira fase da requalificação do troço nascente da avenida da Boavista, entre as ruas de Agramonte e Guerra Junqueiro, apontando para julho a conclusão dos trabalhos.

Durante as obras na maior via urbana do Porto, «o trânsito será cortado nas três faixas correspondentes ao sentido Foz ¿ rotunda da Boavista», pelo que o trânsito passa a circular «nos dois sentidos nas duas faixas de rodagem mais à direita, correspondentes ao sentido rotunda da Boavista ¿ Foz», descreve a autarquia em comunicado.

A Câmara esclarece ainda que a beneficiação de toda a avenida ficará concluída em 2015, após mais três fases de obra: entre as ruas Guerra Junqueiro e António Cardoso, entre António Cardoso e Bessa Leite e, «finalmente», entre esta rua e a O Primeiro de Janeiro.

«A conclusão de todas estas fases acontecerá no decorrer do ano de 2015, ficando então a avenida da Boavista totalmente requalificada», refere o município.

Para já, devido à intervenção que começa na segunda-feira, o estacionamento na avenida vai ficar «condicionado» entre as ruas de Agramonte e Guerra Junqueiro, «garantindo-se apenas o acesso a cargas e a descargas, bem como o acesso a garagens», observa a Câmara.

Até julho, a circulação de trânsito «vai ser realizada em meias faixas, de forma a garantir sempre a circulação nos dois sentidos na avenida da Boavista», acrescenta.

A autarquia esclarece que esta terceira fase da requalificação do troço nascente da avenida acontece depois de estarem concluídos os trabalhos entre a praça Mouzinho de Albuquerque (vulgo rotunda da Boavista) e a rua de Agramonte e entre esta artéria e a Rua da Meditação.

Os trabalhos previstos «são idênticos aos já realizados» e consistem «no levantamento dos pavimentos existentes, substituição das redes de águas pluviais, águas residuais e de abastecimento de águas, instalação de redes de telecomunicações e substituição das atuais redes de baixa e média tensão».

A isto soma-se, de acordo com a autarquia, a instalação de novos semáforos, «a substituição da atual rede de iluminação pública com a colocação de novas colunas de iluminação» e a colocação de contentores enterrados para a recolha seletiva de resíduos.

O pavimento dos passeios, atualmente em betonilha, passará a ser em cubo de basalto e o pavimento das faixas de rodagem vai ser substituído por «novas camadas» de betão.

A Câmara vai ainda construir «baias de estacionamento em cubo de basalto», fazer «um pequeno separador central em granito» e «duas ciclovias em cada um dos sentidos», bem como colocar árvores «de cada um dos lados da avenida».

O troço nascente da avenida da Boavista, esteve entre junho e novembro cortado ao trânsito entre a Rotunda da Boavista e o cruzamento com a rua de Agramonte, para a realização de obras de instalação de infraestruturas.

O troço poente da avenida foi recuperado em 2008, numa obra que custou à autarquia 800 mil euros e que causou polémica porque a oposição acusou o então presidente da Câmara, Rui Rio (PSD) de estar a preparar a avenida para as corridas do Circuito da Boavista.