Os moradores do bairro do Lagarteiro, no Porto, estão «revoltados e tristes» com o «aparato policial» que esta quinta-feira envolveu o corte no fornecimento de eletricidade nos 13 blocos do complexo habitacional.

«Nós não somos nenhuns marginais nem delinquentes», afirmou Fernanda Gomes, presidente da Associação de Moradores do Lagarteiro segundo a qual elementos da EDP foram acompanhados ao bairro por várias carrinhas de intervenção policial, criando uma situação «pior do que uma rusga», cita a Lusa.

A moradora contou ainda que os cortes de eletricidade foram feitos nos 13 blocos do bairro, sem conseguir especificar o número de habitações afetadas.

Na origem dos cortes no fornecimento de eletricidade estão dívidas dos moradores à elétrica.

«As famílias em causa são pessoas que viram os seus rendimentos diminuir [e] mal têm dinheiro para a alimentação. Não têm como pagar, mas assumem a dívida que têm», contou a responsável.

Fernanda Gomes referiu que «o problema é a forma como a EDP está a exigir o primeiro pagamento», pedindo «logo 10% da dívida» que em algumas situações atinge os cinco mil euros.

Lamentou ainda que a associação não possa «fazer nada» a não ser «fazer força» para que as pessoas com dívida possam ver reduzida a primeira prestação do montante em falta.

Contactada pela Lusa, a Câmara do Porto disse que a situação não é da sua competência pelo que «não irá pronunciar-se sobre o assunto».

A Lusa tentou contactar a EDP mas tal não foi possível até ao momento.