Num relatório publicado no seu portal oficial na Internet, a câmara presidida pelo socialista Marco Martins escreve que também desde o início do ano o Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC) registou 105 ocorrências de munícipes a informar da presença de ninhos de vespas asiáticas, tendo sido validados 54 casos, o que corresponde a 48% de falsos alarmes.

Em comparação, no ano passado foram seis os ninhos de vespa eliminados pelo SMPC de Gondomar.

A autarquia de Gondomar explica que após a deteção de uma suspeita de ninho ou de exemplares de vespa velutina, deve ser colocado o registo com fotografia no 'site' www.sosvespa.pt. Deve ainda informar-se o SMPC, através da Junta de Freguesia ou da câmara Municipal, e "isolar o local onde se encontra o ninho sem nunca mexer nele".

A vespa velutina, mais conhecida por vespa asiática, é uma espécie não-indígena, predadora de insetos, entre eles a abelha europeia, encontrando-se, conforme dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, circunscrita a concelhos do norte do País.

A sua introdução involuntária na Europa ocorreu em 2004 no território francês, tendo a sua presença sido confirmada em Espanha em 2010, em Portugal e Bélgica em 2011 e em Itália em finais de 2012.

Em Matosinhos foram destruídos 45 ninhos

Hoje soube-se também que a Proteção Civil de Matosinhos destruiu 45 ninhos de vespa asiática desde o início do ano, um dado que confirma "o forte incremento" desta espécie invasora no concelho, onde são detetados dois a três novos casos por semana, informou a autarquia.

De acordo com um comunicado, os elementos do Horto Municipal e da Proteção Civil da cidade, que constituem as equipas de intervenção, têm tido uma "resposta pronta" na eliminação dos ninhos, tendo destruído 13 na última semana.

Os ninhos exterminados encontravam-se espalhados pelo concelho e a grande parte das intervenções ocorreram em árvores localizadas em espaços privados, bem como em habitações, anexos e garagens, lê-se na nota informativa. O extermínio é feito durante a noite, momento em que as vespas se encontram nos ninhos.

"Existem em cada ninho cerca de dois mil espécimes, cuja picada não é mais grave do que a das variedades autóctones. Já se registaram, todavia, ataques fatais, resultantes do desenvolvimento de alergias que podem causar a morte por asfixia", acrescenta o documento.

A informação relativa a Matosinhos foi veículada no mesmo dia em que outra câmara do Grande Porto, a de Gondomar, informou ter eliminado 47 ninhos de vespa asiática desde 1 de janeiro.

Os números destes dois municípios estão, contudo, muito aquém dos de Viana do Castelo onde, segundo dados divulgados na quarta-feira, foram sinalizados 1.098 ninhos desta espécie desde 2012, dos quais 955 já foram destruídos.