O sítio onde vive pode influenciar a sua esperança de vida. A poluição sonora pode ter graves efeitos na saúde.
 
As conclusões de um estudo feito numa escola de saúde londrina feito para a capital inglesa bem podem aplicar-se ao resto das cidades no mundo.
 
A Organização Mundial de Saúde coloca a fasquia: a partir dos 55 decibéis, o barulho faz mal à saúde.
 
O estudo mostra que houve mais 4% de mortes em habitantes de bairros cuja poluição sonora durante o dia ultrapassa os 60 decibéis do que em zonas mais calmas.
 
Os residentes nestas áreas com mais trânsito e poluição sonora também estão mais expostos a ataques cardíacos do que os outros. Segundo o estudo citado pela AFP, o risco aumenta 9% entre a população idosa.
 
Os habitantes expostos a um ruído acima dos 55 decibéis também têm mais probabilidades de sofrer de doenças cardíacas, já que o barulho faz subir a tensão arterial e aumenta os níveis de stress.
 
O trabalho coordenado por Jaana Halonen e publicado no European Heart Journal foi realizado entre 203 e 2010, tendo como base os habitantes em redor da estrada M25, uma das mais movimentadas de acesso á capital britânica.
 
Olhando para as conclusões da investigação, um cardiologista da Universidade de Warwick, Francesco Cappuccio, alertou as políticas de saúde pública deviam estar mais atentas aos problemas provocados pelo ruído.
 
A amostra do estudo é Londres, mas bem podia estar a falar de Lisboa. A poluição sonora afeta 20 milhões de europeus. A União Europeia criou uma diretiva para reduzir o barulho nas cidades, mas ainda há um longo caminho a percorrer.