A Polícia Judiciária (PJ) deteve um médico e duas farmacêuticas no âmbito de uma investigação por fraude ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), cujo valor já ascende a 1,1 milhões de euros, informou hoje aquela força.

Em comunicado, a Diretoria do Norte da PJ refere que a fraude se concretizaria em duas farmácias do distrito de Braga.
A PJ realizou buscas nessas farmácias, onde recolheu prova relacionada com a prática da atividade criminosa em investigação.

Segundo a PJ, o esquema fraudulento envolvia a faturação, por parte das farmácias, de vendas fictícias de medicamentos, para fins de comparticipação pelo SNS.

O esquema concretizava-se graças a receituário e prescrições médicas falsas.

“O montante da fraude já apurado ascende a cerca de um milhão de euros numa das farmácias e a cerca de 180 mil euros na outra”, acrescenta o comunicado.


Ainda de acordo com a PJ, os detidos estão indiciados dos crimes de burla qualificada ao Estado, corrupção, falsificação de documento agravada e falsidade informática.

Os detidos foram presentes a primeiro interrogatório judicial, tendo ficado sujeitos às medidas de coação de proibição de contactos entre eles, proibição de ausência para o estrangeiro, suspensão de atividade e gerência das farmácias, prestação de cauções e apresentações periódicas no posto policial de residência.