A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, em estreita articulação com o Departamento de Ponta Delgada, Açores, deteve cinco pessoas "indiciados pela prática do crime de tráfico de estupefacientes", foi hoje anunciado.

O coordenador da PJ de Leiria, António Sintra, disse à agência Lusa que se tratava de uma "estrutura familiar, constituída por mãe, filhos e netos", naturais da Ilha Terceira, Açores, que tinham família na Marinha Grande, no distrito de Leiria, e a Praia da Vitória, na Ilha Terceira.

"Pelo menos", desde 2010, a atividade do grupo "consistia na expedição semanal de encomendas postais com haxixe dissimulado no interior". António Sintra explicou que alguns elementos desta família "conseguiam quantidades de haxixe na Marinha Grande, que faziam chegar à Praia da Vitória", onde o produto estupefaciente era "distribuído e comercializado semanalmente".

Segundo o coordenador da PJ, o envio do haxixe fazia-se em encomendas postais, via correio, "em pequenas quantidades - placas de 100 a 200 gramas - dissimulado em diversos artigos, como vestuário".

Em comunicado, a PJ refere que a "investigação culminou recentemente com a deteção e interceção de duas encomendas postais, que continham haxixe em quantidade global correspondente a 620 doses individuais diárias".

António Sintra acrescentou que em 2010 tinha havido uma intervenção da PJ local na Ilha Terceira. "No ano passado, a PJ de Leiria teve notícia que a atividade continuava na Marinha Grande e iniciou a investigação”.

“Sabíamos que dificilmente iríamos conseguir intercetar mais do que uma encomenda, pois no momento em que a primeira fosse encontrada, a distribuição parava".

No entanto, no início deste mês, a PJ conseguiu intercetar duas encomendas. "Deixámos seguir uma encomenda e surpreendemos duas pessoas no ato do levantamento. A ação em Leiria permitiu deter mais três pessoas, expedidores, na Marinha Grande, relacionados com o grupo recetor".

A Polícia Judiciária não exclui que tenha havido tráfico de outro produto estupefaciente, mas o detetado foi apenas haxixe.

"Os detidos, com idades compreendidas entre os 24 e os 72 anos, foram presentes às autoridades judiciárias competentes, ficando sujeitos a diferentes medidas de coação, nomeadamente termo de identidade e residência, apresentações semanais e quadrissemanais em posto policial, restrição na receção de correspondência, proibição de ausência para o estrangeiro e proibição de contactos com indivíduos referenciados como traficantes e/ou consumidores de estupefacientes", informou ainda o comunicado.